Tenha ideias incríveis e comece sem medo.

blog-ter-ideias

O artigo a seguir é baseado no livro Start, do autor Jon Acuff. Vamos deixar o link para compra (amazon) no final do texto. A leitura deste artigo não substitui a leitura da obra original, apenas estamos pontuando algumas ideias interessantes que encontramos. 

O livro começa contextualizando onde nós provavelmente estamos e aonde nós queremos chegar. O primeiro capítulo se chama “Você está aqui”, e é sobre ele que nós vamos falar agora.

Você está aqui. 

Esse capítulo tem algumas ideias para gerar reflexão, logo no começo ele cita uma frase sensacional “No fim, nem o melhor mapa do mundo ajuda se você não sabe onde está”.

É muito comum pensarmos sempre onde queremos chegar, onde queremos estar, mas raramente nós nos perguntamos onde estamos agora.

Se pararmos para pensar, é impossível chegar a qualquer lugar sem saber onde estamos. Tente abrir o Google Maps, e antes mesmo de perguntar pra onde você quer ir, ele te pergunta onde você está. 

Agora, como utilizar dessas ideias em um projeto? É bem simples, chegue no espelho e reflita exatamente onde você está, busque entender sobre como é importante se localizar antes de sair correndo. 

O começo.

No segundo capítulo “O começo”, o autor traz diversas ideias sobre como você nunca vai chegar a lugar nenhum se nunca começar, ele fala sobre o medo com uma abordagem bem interessante.

Vamos supor que você percebeu uma oportunidade incrível, mas para conseguir alguma coisa com esse projeto, você precisa começar. 

Se você nunca fez um projeto do tipo antes, é muito provável que bata um desespero e você sinta uma responsabilidade enorme nas suas costas. Mas vou te mostrar que não é pra tanto. 

De acordo com Jon (autor do livro), o medo é esquizofrênico, os “argumentos” que ele utiliza para te impedir de começar algo são sempre sem nexo e infantis.

É sério, pense os principais motivos pelo qual você não começa um projeto. Eles fazem realmente sentido?

A melhor forma de superar o medo é começando. Comece de onde está, vai com medo, mas vai. Se der certo, ótimo. Se não der, fica de aprendizado. 

O que esperar quando você está começando? 

Quando você está começando, vai ser difícil mesmo. 

É normal, mas isso não é motivo para desistir. Começar um projeto nunca é muito fácil, são muitas coisas pra pensar e perguntas para responder. 

Mas com o tempo vai ficando cada vez mais emocionante e o medo para de ser um problema. Uma dica que eu peguei do livro é a importância de se ter um propósito.

Inclusive, fica a indicação de livro Comece pelo porquê — Simon Sinek

Em Start, o autor ressalta que ter um propósito, mesmo que não esteja 100% definido, faz muita diferença na hora de se manter na linha e se manter persistente com a jornada. 

Como eu disse, no começo é difícil mesmo, você vai errar, ouvir besteiras, hesitar, é normal. Ter um propósito não vai fazer com que isso não aconteça, mas vai com certeza facilitar muito na hora de decidir entre desistir ou continuar tentando. 

Lembre sempre que é errando que se aprende.

Fases da Jornada.

No livro, Jon aborda e explica sobre as diferentes etapas de toda Jornada. 

A primeira é a fase do aprendizado, depois foco, domínio, colheita e por último a orientação. Pode deixar que vou falar sobre cada uma delas e explicar direitinho como você pode identificar sua fase e prosseguir para a próxima.

Fase 1: Aprendizado.

A etapa do aprendizado é, como o próprio nome diz, a parte de aprender. É a fase inicial onde você começa a explorar e descobrir coisas novas. 

“Precisa ser fácil de administrar, ou fracassamos antes mesmo de começar” — essa ideia é muito importante porque, quando vamos iniciar um projeto, é extremamente importante que a gente consiga administrar tudo que está envolvido.

E como o próprio autor diz, se nossa operação for muito complexa de administrar, provavelmente vamos acabar fracassando antes mesmo de começar.

Fase 2: Foco.

A etapa do Foco é o momento que você pega tudo que aprendeu e passa um filtro.

Vamos supor que durante a fase de aprendizado você aprendeu diversos pontos importantes, como: branding, marketing, gestão de pessoas, negociação, etc. na terra do Foco é o momento que você pega tudo isso, define qual você quer masterizar. 

Bem simples né, mas o segredo de ter boas ideias é justamente focar em um ponto, exemplo, marketing. Depois que estiver masterizado, pular para o próximo tópico, exemplo, branding e assim por diante. 

Fase 3: Domínio.

Essa é a parte mais importante da jornada, o domínio é quando você realmente masteriza tanto alguma tarefa que ela passa a se tornar natural e parte da sua essência.

Por exemplo, vamos supor que você dominou marketing, você aprendeu sobre, depois focou nisso e agora dominou o assunto. 

Quando você for implementar no seu projeto, vai sair com tanta naturalidade que você nem sequer vai ter que pensar a respeito, simplesmente vai acontecer. E quando você conseguir chegar nesse ponto, é hora de focar em algum outro assunto.

Uma forma bem simples de chegar nesse nível é através da experiência e prática. Minha dica é que você teste diferentes abordagens até encontrar a que mais se identifica, o importante é não ficar parado. 

Fase 4: Colheita.

Não seja um idiota. É a essência que move a etapa colheita, simples e direto.

Você não sendo um idiota você já vai ganhar muitos pontos na colheita, e por que isso acontece? 

As pessoas não gostam de trabalhar com idiotas, não fazem favores, não ouvem e não ajudam que age como idiota. 

A grande sacada da colheita é justamente você colher os frutos que a terra do domínio te proporcionaram, mas pra isso você depende dos outros.

Independente de qual seja seu projeto, você sempre vai precisar de alguém para comprar ou te ajudar. Ou seja, não seja um completo idiota e já vai facilitar muito essa parte.

Se você for legal com as pessoas, elas serão legais com você. 

Um ponto de cuidado é: chegar na fase de colheita e achar que pode parar e relaxar. 

Na fase da colheita é extremamente importante que você continue aprendendo, focando e dominando. Assim mantém a roda girando e você se mantém no jogo. 

Fase 5: Orientação.

Agora que você já aprendeu, focou, dominou e colheu, tá na hora de orientar.

Essa é de longe a parte mais legal da jornada e é justamente o que o nome diz, orientar. 

Ajudar outras pessoas a passarem pelos caminhos que você já passou é uma forma muito humana de se manter no jogo, além de manter a roda rodando. 

Então não hesite em passar seu conhecimento adiante, ajudar as pessoas é a melhor forma de se ajudar. 

Mitos.

Agora que concluímos todas as etapas da jornada, é interessante que quebrarmos alguns mitos em relação à orientação:

Mito 1 — Você não deve orientar até se sentir pronto. 

Resposta: Você nunca vai se sentir pronto, próximo. 

A graça da orientação é dar ideias para ajudar os outros a passarem por onde você já passou, não necessariamente a jornada inteira.

Você não precisa estar lá no final do jogo para olhar pra trás e ajudar os outros, estando alguns metros na frente já é mais que suficiente.

E um detalhe legal é que essa jornada não tem fim, é um ciclo, então você nunca vai chegar ao fim para finalmente poder “ajudar os outros”.

Mito 2 — Você só deve compartilhar seus sucessos

Resposta: Eu acho que é justamente pelo contrário, o sucesso é apenas a consequência e ninguém aprende com eles.

Nós aprendemos de fato com os erros que cometemos, quando pegamos o caminho errado ou tropeçamos em algum obstáculo. 

O sucesso é a consequência de vários erros cometidos.

Ação é sempre melhor que intenção.

Você com certeza já ouviu alguém falando que quer muito fazer uma coisa, mas no fim acaba nunca fazendo. 

Isso acontece porque nós, humanos, temos o costume de sonhar coisas incríveis, mas na hora de realizar bate aquele medo e o resto é história. 

“Às vezes, ficamos presos à espera do contexto perfeito — aquele que sempre tivemos em nossa mente — para começarmos a ser incríveis. É um erro terrível.”

A ideia dessa frase é mostrar e reforçar que não existem ideias no mundo que se equivalha a 1% de ação. 

Você pode ter ideias muito incríveis para um projeto ou empresa, se nunca tirar do papel, vai continuar sendo apenas uma ideia e com o tempo vai deixar de ser tão incrível. 

Materiais complementares.

Se quiser ver mais materiais sobre o autor, abaixo está o link para compra do livro e o site do mesmo:
https://acuff.me
Start – Jon Acuff (amazon)

Também falamos sobre isso em nosso outro artigo: Quando começar um negócio?

Obrigado pela atenção, espero que tenha gostado e aprendido algo novo. 

Bebam bastante água e se divirtam na jornada. 

Escrito por: Victor Albernaz

Veja mais!

Rolar para cima